Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: conheça os sinais, tratamentos e saiba o que fazer

As mudanças de comportamento de crianças e adolescentes podem ser os primeiros sinais de sérios transtornos psicológicos. Conheça os sinais, tratamentos e saiba o que fazer quando a criança é diagnosticada com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade

 TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE

Atenção aos sinais

Crianças e adolescentes com TDAH costumam apresentar…

  • Desatenção persistente, que ocorre nos diversos contextos onde estão inseridos.
  • Dificuldade de concentração em tarefas e brincadeiras.
  • Falta de atenção quando lhe dirigem a palavra.
  • Dificuldade de organização em tarefas e atividades.
  • Fuga de situações que demandem muito empenho mental, por longo período de tempo.
  • Perda de objetos e materiais corriqueiramente.
  • Inquietação física em todos os ambientes.
  • Respostas impulsivas e precipitadas.
  • Predisposição a se colocar em situação de risco, por impulsividade.

O que fazer

Os pais devem entender que alguns dos comportamentos apresentados não são propositais e, portanto, as crianças não devem ser punidas severamente quando perderem objetos, canetas e livros, quando se machucarem em brincadeiras, por impulsividade ou desatenção. Isso não quer dizer que as crianças não devem ser orientadas ou ter limites. É indicado dar instruções diretas e claras e ensiná-las que não devem interromper atividades. Além disso, especialistas recomendam estabelecer uma rotina diária com horários para almoço, jantar e dever de casa. Manter o ambiente arrumado é uma forma de otimizar as chances de sucesso nas atividades diárias e de evitar conflitos.

Na escola

Pais devem escolher a escola com cuidado, priorizando a atenção que os professores dão às particularidades de cada criança, para aumentar as chances de sucesso no processo de aprendizagem. A conversa com educadores é fundamental, para que se estabeleça um método mais fácil de estudo em casa. É preciso propor diferentes formas de aprendizado até que seja encontrada a mais adequada à criança. Criar uma rotina para o jovem e não sobrecarregá-lo de atividades extracurriculares também ajuda a realizar as tarefas diárias satisfatoriamente. Além disso, é indicado conscientizar os alunos com TDAH sobre o tipo de prejuízo que o comportamento impulsivo pode trazer para ele e para o grupo.

O tratamento

O consenso atual é de que o tratamento deve contemplar a orientação aos pais e professores sobre o transtorno e seu manejo, além de técnicas específicas que são ensinadas ao paciente. A medicação, na maioria dos casos, faz parte do tratamento. Se não é possível fazer com Ritalina (até 25% dos pacientes) por falta de eficácia ou por efeitos colaterais, há outras alternativas farmacológicas.