O Estresse Nosso de Cada Dia

Entende-se o estresse como uma reação fisiológica a situações adversas da vida, favoráveis ou desfavoráveis, que aparecem dia após dia, porém, em alguns casos os efeitos desse estresse vão além de um simples cansaço. Porém, em outros casos, o estresse pode ser visto como algo positivo, ele funciona como um alerta de que algo não está certo ou nos avisa de um perigo iminente.

O estresse pode causar diversas reações, no corpo há chances de haver queda de cabelo (podendo alterar o ciclo e o crescimento do cabelo), doenças cardiovasculares, desordens na pele, infecções, alergias, dores de cabeça, bruxismo (ranger os dentes durante o sono), ou dificuldade de engravidar, irritabilidade, impaciência, dentre outros fatores.

No ambiente de trabalho algumas situações podem ocasionar o incômodo emocional, são elas: inadequação salarial, ambiente desagradável com barulho e sujeira, longas jornadas de trabalho, falta de autonomia, falta de liberdade para aproximação com o gestor, conflitos com os colegas e superiores, insegurança, má distribuidores das responsabilidades, inabilidade da gestão para lidar com as diferenças de cada funcionário e falta de prospecção de carreira.

Como vimos, o estresse está entre nós, então, pode-se pensar em algumas possibilidades para lidar melhor com o estresse ou evitá-lo: manter hábitos de exercícios físicos regulares, uma alimentação saudável, manter o sono e uma vida social ativa. Viajar é sempre bom, experimentar coisas novas, fazer algo diferente, o importante também, é quebrar a rotina sempre que possível. Meditação, ioga e exercícios de respiração também são um bom exemplo de auxílio contra o estresse, mas deve-se fazer em um ambiente tranquilo e sem barulho. É importante pensar nessas dicas como um autocuidado, e não apenas como uma obrigação.estresse-nos-estudos-capa-Neaf

Outra situação que pode vir a aumentar o estresse é o excesso de tecnologia, ou como é denominado tecnostress, tem-se notado um aumento de casos em que pacientes se tornam viciados em internet, redes sociais, Facebook ou WhatsApp, e o cérebro desses pacientes são comparados com os de viciados em drogas ilícitas e pesadas. Para tanto, é importante, principalmente, que os pais cuidem o que e como seus filhos utilizam tal tecnologia, bem como os adultos e jovens saibam perceber como seus amigos e familiares também utilizam esses meios eletrônicos.

É importante pensar que se há um estresse persistente, um cansaço estremo, intenso e duradouro, diversos sintomas que não passam, pode pensar em uma depressão e/ou ansiedade, confusão mental, pânico, transtornos psicossomáticos, que são problemas mais sérios.

No nosso dia a dia temos que tentar buscar um equilíbrio emocional, nem sempre fácil, mas é possível começar com atitudes simples, como o ato de caminhar, primeiro engatinhamos, para depois andar e correr quando necessário.

É importante ressaltar que quando a pessoa não sabe o que está acontecendo com ela mesma, se nunca sentiu algum tipo de dor antes, ou está passando por situações muito difíceis de lidar, tem que parar e pensar que não precisa resolver tudo sozinha, há profissionais capacitados para auxiliar e tentar entender o que está acontecendo.

 

Anderson Cassol Dozza

Neuropsicólogo