Não é o que parece

Pessoas com histórico de tabagismo podem apresentar doenças crônicas não diagnosticadas. Pesquisadores americanos afirmam que 55% dos fumantes e ex-fumantes apresentam doenças pulmonares.

cigarro

Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS

Mais da metade dos fumantes e ex-fumantes considerados saudáveis após teste que avalia a capacidade respiratória, na verdade, apresentaram sintomas de doenças pulmonares crônicas, como aponta um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista norte-americana JAMA Internal Medicine.

— Os efeitos do tabagismo crônico nos pulmões e na saúde em geral são muito subestimados e as doenças pulmonares são frequentes entre os fumantes cujos testes de capacidade respiratória deram resultados normais — afirma James Crapo, professor de medicina no National Jewish Health de Denver, nos Estados Unidos.

O estudo se baseou em 8.872 indivíduos com idades entre 45 e 80. A maior parte deles fumou durante uma média de 35 anos, enquanto outros mantiveram o hábito do tabaco por até 50 anos.

O resultado da pesquisa, que considerou outros critérios clínicos relacionados a funções físicas e respiratórias ao realizar exames por meio de um scanner, é que 55% das pessoas declaradas saudáveis sofrem de doenças pulmonares crônicas.

O scanner mostrou, por exemplo, que 42% dos participantes sofria enfisema ou espessamento das vias respiratórias e que cerca de 23% apresentava um espessamento acentuado das paredes respiratórias. Em termos gerais, a pesquisa ressalta o que já se sabia anteriormente: tanto os fumantes como os ex-fumantes têm uma qualidade de vida pior em comparação àqueles que nunca fumaram.

Muitas pessoas com histórico de tabagismo estão, provavelmente, nas fases iniciais de uma doença pulmonar obstrutiva crônica, como enfisema e bronquite crônica. Ambas as complicações são a terceira causa de morte nos Estados Unidos, de acordo com os pesquisadores. Além disso, estas doenças raramente ocorrem em pessoas com menos de 55 anos.

Uma pesquisa recente mostrou que o exame com scanner para pessoas que fumaram um maço de cigarros por pelo menos 30 anos pode permitir claramente detectar câncer de pulmão precoce e ajudar a reduzir a mortalidade em 20%.

— Esperamos que este estudo ajude a desmascarar o mito do fumante saudável e aumentar a conscientização sobre a importante prevenção do tabagismo — acrescenta Elisabeth Regan, professora assistente de medicina no National Jewish Health.

*AFP