A dor de cabeça e o aneurisma cerebral

O que é aneurisma cerebral? É uma dilatação que se forma na parede enfraquecida de uma artéria (vaso) do cérebro. A pressão normal do sangue dentro da artéria força essa região menos resistente do vaso e dá origem a esta dilatação que pode crescer lentamente.

O risco de se ter um aneurisma é que ele pode ter uma ruptura e consequentemente hemorragia cerebral. Em geral, os episódios de ruptura ocorrem a partir da quinta década de vida (mas podem ocorrer até na infância), afetam mais mulheres e se tornam mais comuns à medida que a pessoa envelhece.

Como diferenciar se a dor de cabeça é de enxaqueca ou do aneurisma? A dor de cabeça da enxaqueca é menos intensa que a da ruptura de um aneurisma, apesar de muitas vezes ser incapacitante. Ela é latejante, geralmente mais localizada na região das “têmporas”, a pessoa geralmente não desmaia durante as crises e se isso acontece à duração da perda de consciência é breve e a pessoa acorda orientada. Geralmente o indivíduo apresenta relato de crises anteriores, muitas vezes com náuseas e vômitos. O exame físico neurológico e os exames de imagem cerebral são normais. Já os aneurismas, quando pequenos e não rotos costumam não causar sintoma algum. Quando crescem podem comprimir alguma estrutura cerebral e provocar sintomas variados de acordo com a localização (como alteração de pupilas, visão dupla). Um aneurisma geralmente só causa cefaleia quando rompe. Isto causa uma hemorragia súbita no cérebro e leva a um tipo de dor de cabeça muito intensa, “explosiva”, podendo ser associada a náuseas, vômitos e muitas vezes perda de consciência, podendo levar à morte ou sequelas importantes. Os exames de imagem cerebral evidenciam sangramento e revelam o aneurisma.

Cerca de 2/3 dos pacientes sobrevivem após a ruptura do aneurisma. E cerca de 50% dos pacientes que sobrevivem podem ficar com alguma sequela. As sequelas variam dependendo do local onde foi o sangramento, podem perder movimentos de braços ou pernas, redução da acuidade visual, dificuldades na fala, alterações de cognitivas (memória, raciocínio).

Há como prevenir o aneurisma cerebral? A maior prevenção de danos é a indicação do tratamento antes da ocorrência do rompimento (sempre através de cirurgia ou embolização por via endovascular). Infelizmente não existe tratamento medicamentoso. De acordo com o tamanho do aneurisma (pequenos) pode-se optar por acompanhá-lo através de exames de neuroimagem regulares e controle rigoroso da pressão arterial. Após o rompimento do aneurisma o tratamento das sequelas se baseia em reabilitação neurológica (fisioterapia/fonoaudiologia/cuidados de enfermagem/terapia ocupacional).

Como diagnosticar a enxaqueca e o aneurisma? O diagnóstico de enxaqueca é feito através da entrevista clínica e exame físico do paciente, não existe nenhum exame que realize esse diagnóstico, já que os exames são todos normais. O diagnóstico de aneurisma é feito através de exames de imagem cerebral. Por isso deve-se ficar sempre atento para sintomas “estranhos” ou dor de cabeça com características diferentes da habitual para se detectar alguma doença como o aneurisma cerebral.

 

Dr. Diego Cassol Dozza – neurocirurgião

Colunista do Jornal RS Norte